Duos e Trios

Lami

released March 22, 2021

[English Below]

* A Música Contemporânea e as reservas da invenção musical: um microcosmo brasileiro da música atual *

Se, nos primeiros anos de música contemporânea, tonal e atonal eram campos de batalha provisórios nos quais se aglomeravam compositores conscientes ou incautos, hoje em dia, nas palavras de Giles Deleuze e Felix Guattari “Tonal, modal, atonal, não significam quase mais nada. Não existe senão a música para ser arte como cosmos e traçar as linhas virtuais da variação infinita”. As questões acadêmicas, tais como método ou estilo, flutuam nesse caos recente, após o Big-Bang das enormes transformações do século xx. E essa é um pouco a situação da música contemporânea de concerto nos dias de hoje: um caleidoscópio instável de diversas tendências e pensamentos, ainda carente de espaços e de um público permanente. Essa rica contradição é ampla reserva de invenção musical, de pensamento criativo e de resistência do indivíduo frente às pressões mercadológicas. Vanguarda já foi a palavra ideal para identificar essa linguagem musical. Foi posta em desuso por algumas visões pós-modernas, ansiosas por enterrar rapidamente essa instabilidade incômoda de um período da história da música ocidental particularmente rico em invenções. Mas segundo John Cage, a vanguarda sempre vai existir se considera- mos que seu significado é “abertura e flexibilidade da mente, necessidade de invenção e liberdade de qualquer amarra institucional ou teórica”. Navegar nessas águas composicionais turbulentas da músi- ca atual é quase uma aventura sem porto nem âncora no que se refere à poética e à técnica de cada obra. Assim, temos aqui neste álbum um microcosmo, um fragmento do universo musical brasileiro, que busca certa unidade numa cultura diversificada e exuberante e um sentido de ordem através da abordagem original, corajosa e pessoal de cada compositor.

______________________

* Contemporary music and the reserves of musical invention: a Brazilian micro-cosmos of contemporary music *

If, in the first years of contemporary music, tonal and atonal signified temporary battle- fields that gathered composers, consciously so or not, nowadays, as Giles Deleuze and Felix Guattari say, “tonal, modal and atonal no longer mean much thing. There is but music that should be art like a cosmos and trace the virtual lines of infinite variation”. Academic issues such as method or style fluctuate in this recent chaos, after the transforma- tions which affected the 20th century like the Big Bang. This is somewhat the situation of contemporary music in the present day: a unstable kaleidoscope of various tendencies and thoughts, still wanting space and a permanent audience. This rich contradiction becomes a large reserve of musical invention, creative thinking and individual resistance to market pressures. Vanguard has been an ideal word to identify this musical language. It was displaced in some postmodern visions, anxious to bury quickly this disturbing instability in a period of Western music history especially rich in inventions. But as John Cage puts it, vanguard will always exist if we consider that its meaning is “mental openness and flexibility, need of invention and freedom from all institutional and theoretical shackles”. To sail in the turbulent waters of con- temporary music composition is almost an adventure without a harbour nor anchor in terms of the poetics and technique for each work. We thus have in this album a microcosmos, a fragment of Brazilian musical universe, which searches for a certain unity in a diversified and exuberant culture and seeks a sense of order through the original, courageous and personal approach of each composer.

Projeto e direção geral: Marcos Branda Lacerda
Direção técnica: Fernando Iazzetta
Assistente de áudio: Pedro Paulo Köhler
Edição: Marcos Branda Lacerda, Pedro Paulo Köhler, Fernado Iazzetta
Mixagem: Fernado Iazzetta; Marcos Branda Lacerda
Estúdio de gravação: LAMI – Departamento de Música – ECA/USP -Março-setembro 2003
Masterização: Cia. do Gato
Imagem da capa: “Sem título”, Marco Buti
Design gráfico: Negrito Design
Fotos: Yeda B. Mello, Beth Alamino (Roberto Victório), Alexandre Campbell (Luiz Carlos Csekö)
Vídeo: Pedro Paulo Köhler
Revisão de texto: Marcos Fecchio
Contato: www.eca.usp.br/nucleos/lami
license